Tribuna

Territórios e saberes indígenas para o “Bom Viver” de toda a Ibero-América

Os povos indígenas vivem, em sua maioria, em zonas rurais, assentados sobre seus territórios de uso e ocupação ancestral. Nestes territórios, eles mantêm, em grande parte, uma economia de subsistência que lhes permite obter alimentação e insumos para a construção de suas casas, transporte, remédios, assim como outra série de recursos.

Apesar de os povos indígenas estarem entre aqueles que menos contribuíram à mudança climática, oferecendo, além disso, aportes ecossistêmicos na luta contra os seus efeitos, são eles os que sofrem suas piores consequências.

O aumento de chuvas e secas está gerando um impacto severo na alimentação e abastecimento familiar indígena. Por exemplo, a escassez de água nas zonas alto-andinas, é agravada pelos efeitos do aquecimento global e o retrocesso dos glaciares. O desmatamento, uma das maiores fontes de emissões globais de carbono, está associada a atividades extrativas, agroindustriais e grandes infraestruturas nos mencionados territórios.

Os impactos da mudança climática constituem uma grave ameaça aos direitos dos povos indígenas

A degradação ambiental de toda a região ibero-americana, cada vez mais preocupante, foi gerando a necessidade de buscar sistemas de proteção que assegurem a conservação ambiental, dentro da qual os povos indígenas desempenham um papel fundamental.

O conhecimento indígena é uma fonte imprescindível para aportar muitas soluções que serão necessárias para nos adaptarmos a esta mudança climática e evitar seus piores efeitos. Por exemplo, os territórios ancestrais, amiúde, proporcionam excelentes exemplos de paisagens, desenvolvendo modelos de adaptação à mudança do clima.

Os povos indígenas também estão desenvolvendo propostas próprias, baseadas em suas práticas e conhecimentos tradicionais que propõem uma forma equilibrada de conservação ambiental enquanto continuam manejando os recursos e fazendo uso dos territórios.

Por exemplo, nas últimas duas décadas foram realizados “Planos do Bom Viver”, com objetivos coletivos sobre a qualidade de vida dos povos em seus territórios. Estes planos costumam incorporar visões de longo prazo, envolvendo as futuras gerações como donas de tais territórios e seus recursos, servindo, além disso, de inspiração para outros processos de transição em territórios não indígenas.

Por exemplo, para o caso do povo wampis, e em palavras do dirigente Shapiom Noningo, sua proposta se baseia no fato de que os povos indígenas souberam viver na natureza sem destruí-la, pois não a sentem como algo a dominar, senão que se concebem como um elemento a mais dentro de um ecossistema maior, no qual todas as partes são importantes.

Os povos indígenas souberam viver na natureza sem destruí-la. Não a sentem como algo a dominar e se percebem como um elemento a mais dentro de um ecossistema maior.

Consolidar as estruturas de governança e os instrumentos de políticas indígenas é essencial para manter a integridade dos ecossistemas, tal como é recolhido no relatório “Os povos indígenas e tribais e a governança dos bosques. Uma oportunidade para a ação na América Latina e o Caribe” publicado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o Fundo para o Desenvolvimento dos Povos indígenas (FILAC) em 2021.

Portanto, garantir o reconhecimento da propriedade dos territórios de uso e ocupação ancestral dos povos indígenas é um direito dos mencionados povos, que permite, além disso, conservar o conhecimento e capacidades indígenas imprescindíveis nestes tempos de transição socioecológica em toda a Ibero-América.

Los argumentos expuestos en esta tribuna responden en exclusiva al punto de vista del autor, que es responsable de las opiniones manifestadas, y no reflejan en ningún caso la postura de la SEGIB

categorías:

Análise Cambio Climático Capacidades Conservación Ecosistemas Desenvolvimento sustentável Direitos Indígenas Meio Ambente Tribuna


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.