Tribuna

Um terço das línguas indígenas da América Latina estão em perigo de extinção

Portada da Cartilha para aprender a língua Wounan. Projeto Gente Fuente do Laboratório de Inovação Cidadã LABICCO

As terras ameríndias sempre foram transitadas por pessoas de falas diferentes, por considerarem-se espaços habitados por múltiplos idiomas. Atualmente, algumas pessoas falam uma só língua, mas para outras, a cotidianidade discorre em dois, três ou, inclusive, mais idiomas.

Na América Latina ainda são faladas mais de 500 línguas indígenas junto a, pelo menos, outras cinco de origem europeu: castelhano, português, inglês, francês e neerlandês, produto da migração desde distintos continentes.

2019, ano Internacional das Línguas Indígenas, ofereceu uma ocasião propícia para chamar a atenção sobre a delicada situação que estas línguas atravessam.

Múltiplas ações foram realizadas para imaginar estratégias de salvaguarda, promoção e uso de todas as línguas indígenas e, particularmente, daquelas em sério risco de silenciamento, resultante da interrupção da transmissão intergeracional.

Se bem isto afeta a todas as línguas indígenas, um terço delas vê ameaçada sua continuidade.

“A falta de transmissão intergeracional afeta a todas as línguas indígenas na Latino América. Um terço delas vê ameaçada sua continuidade”

        Toma de consciência

Os líderes indígenas, suas organizações e as próprias comunidades de falantes tomaram consciência do perigo que se cerne sobre seus idiomas e, com apoio de acadêmicos, organizações da sociedade civil e governos, empreenderam ações destinadas a recuperar e revitalizar o uso de seus idiomas patrimoniais.

De fato, a revitalização idiomática forma parte das agendas comunitárias, nacionais e inclusive, globais. E é que uma eventual perda da diversidade linguística do mundo nos conduziria a um empobrecimento generalizado também em termos de conhecimentos, saberes, valores, visões do mundo e formas de vida.

Poucas vezes tomamos consciência de que um idioma indígena é muito mais que uma ferramenta de comunicação; é também o meio através do qual são construídos e transmitidos, oralmente, conhecimentos de índole diversa.

Em tempos de acelerada mudança climática urge recuperar os conhecimentos e as práticas indígenas, produto da convivência sustentável com a natureza, para aprender a mitigar esta situação que compromete nosso futuro.

Agora que as Nações Unidas proclamam o Decênio das Línguas Indígenas (2022-2032), compete à comunidade ibero-americana fazer evidente seu compromisso com a preservação e o desenvolvimento da diversidade linguística como uma das riquezas que atesoura e que contribui à consolidação da democracia e à convivência entre diferentes.

Los argumentos expuestos en esta tribuna responden en exclusiva al punto de vista del autor, que es responsable de las opiniones manifestadas, y no reflejan en ningún caso la postura de la SEGIB

categorías:

Cultura Indígenas Patrimônio Tribuna


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.