Tribuna

República Dominicana: lições aprendidas na pandemia

Imagen publicada en el Facebook del Ministerio de Salud Pública de la República Dominicana

Os efeitos da COVID-19 continuam impactando nossa cotidianidade.

Vejamos nossas conclusões acerca das lições aprendidas perante a COVID-19:

  1. É necessária uma autoridade sanitária de alta capacidade técnica e alta legitimidade.

As debilidades da autoridade sanitária no exercício da função de reitoria do sistema de saúde limitam as intervenções contra a pandemia.

É requerida uma maior qualificação do pessoal profissional da autoridade sanitária, tanto a nível central como territorial, para poder liderar o processo baseado em evidência e na análise das intervenções.

Também poderia ser conveniente melhorar os programas de formação e garantir a estabilidade deste pessoal.

  1. Quanto maior é a desigualdade social, mais difícil resulta a gestão das intervenções.

Quanto maior for a inclusão social, maior é a viabilidade das intervenções. Por exemplo, quando se propõe que fiquem em casa “descobre-se” que mais da metade da população não tem como cumprir com isso.

A análise das desigualdades e o desenvolvimento de um enfoque de equidade nas intervenções deveriam ser as ações a ter presentes.

  1. Na gestão das intervenções perante a pandemia e ameaças similares, o enfoque clínico não deve substituir o enfoque epidemiológico.

O paradigma, ainda dominante em saúde, se caracteriza por uma visão centrada na cura da enfermidade, sobre a base de um modelo biológico.

No manejo da pandemia, a presença do enfoque clínico, maior dificuldade para compreender o comportamento dos casos.

Por exemplo, o registro dos casos por data em que se confirmaram -sem importar quando iniciaram as manifestações-, a necessidade de confirmação objetiva do caso e a informação sobre os eventos em valores absolutos ou mediante prevalência acumulada em lugar de empregar taxas não favorecem o acionamento contra estes tipos de problemas.

  1. Quanto maior for a participação privada, mais complexo é o cenário e mais difícil sua gestão.

Os países com melhores conquistas, em sua maioria possuem sistemas públicos robustos de amplo aceso e cobertura. A presença privada incorpora outros interesses e, em muitas ocasiões, de alta pressão social e política.

O norte a seguir deve ser o desenvolvimento de um sistema público de atenção em saúde, a partir de redes de serviços de saúde (por serviços ou por processos), sobre a base da “Atenção Primária de Saúde” (APS).

  1. Sem a participação da população, o impacto das intervenções perde potencialidades.

Limitar ou impedir a participação das pessoas e suas organizações dificulta os trabalhos e inclusive pode impedi-los.

A intenção seria favorecer o empoderamento da população e desenvolver condutas saudáveis.

Para isso, deve-se melhorar e voltar a focar o investimento, tanto em saúde como em educação.

 

Todas estas experiências partilhadas formam parte do ciclo de webinars “Aprendendo lições sobre a COVID-19 na Ibero-América” organizado pela Secretaria-Geral Ibero-americana (SEGIB) em coordenação com a Escola Andaluza de Saúde Pública, o Instituto de Saúde Carlos III e a Secretaria Técnica da Rede Ibero-americana Ministerial de Aprendizado e Pesquisa em Saúde (RIMAIS)
Los argumentos expuestos en esta tribuna responden en exclusiva al punto de vista del autor, que es responsable de las opiniones manifestadas, y no reflejan en ningún caso la postura de la SEGIB

categorías:

Análise Cooperação Ibero-Americana COVID-19 Redes Ibero-Americanas Saúde Tribuna


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.