Tribuna

O que a inclusão financeira aporta aos ODS

Foto: Bindalfrodo

Impulsionar um setor financeiro inclusivo soube constituir-se paulatinamente em uma meta cada vez mais desejada pelos distintos governos e organismos internacionais.

Tanto foi assim, que no ano de 2015 a nova Agenda 2030 das Nações Unidas ressaltou o acesso ampliado a serviços financeiros em cinco de seus 17 novos objetivos para o desenvolvimento Sustentável (doravante ODS).

Não obstante, a inclusão financeira propriamente dita é um conceito multidimensional. Esta caraterística torna difuso o objetivo de diagramar um mapa único e claro de relações causais entre a inclusão financeira e o desenvolvimento Sustentável.

O acesso a serviços financeiros em condições favoráveis leva a suavizar os padrões de consumo, planejar melhor os gastos

A teoria nos diz que o acesso a serviços financeiros em condições favoráveis leva a suavizar os padrões de consumo, planejar melhor os gastos, atender riscos relacionados com a saúde e realizar investimentos, não só em empreendimentos produtivos, senão também a longo prazo como em educação.

Não obstante, existem relativamente poucas pesquisas sobre o tema. Um motivo fundamental corresponde às limitações na disponibilidade de dados a nível nacional e global mencionadas.

Apesar disso, diversos autores estudaram os benefícios da inclusão financeira. De maneira geral, a maior parte analisou dimensões específicas em base a casos e avaliações de programas particulares implementados ao redor do planeta.

Especificamente, em “Achieving the Sustainável Development Goals: The Role of Financial Inclusion”, Klapper e coautores (2016) resumem a evidência empírica que assinala como a inclusão financeira pode ajudar a alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

No mencionado documento e com base aos casos de estudos analisados, afirma-se que alguns objetivos são promovidos de maneira direta (objetivos 1, 2, 3, 4 e 5) enquanto que outros, ainda que não existam estudos empíricos que brindem evidência robusta, existem motivos teóricos para manter que a inclusão financeira pode ajudar a promovê-los de maneira indireta (6, 7, 8, 9,10 e 16).

De maneira similar, no trabalho “Financial Inclusion and Inclusive Growth: A Review of Recent Empirical Evidence” de Demirgüç-Kunt e Singer (2017), os autores realizam uma análise da evidência empírica diferenciando categoria de produto financeiro.

Analisando suas conclusões e de acordo com a evidência global mais recente, a seguinte tabela resume o que sabemos atualmente sobre o impacto da inclusão financeira em dimensões afins ao desenvolvimento.

 

Impacto dos produtos financeiros baseado na evidência da inclusão financeira

Pagamentos

  • A transferência dos pagamentos em numerário às contas aumenta sua velocidade; reduz a incidência associada da delinquência; aumenta a transparência e também ajuda as pessoas a criar um historial de dados de pagamentos que pode ser aproveitado para um melhor acesso ao crédito.
  • A incorporação de dados de pagamentos nos arquivos de crédito também ajuda as instituições financeiras a avaliar melhor os riscos creditícios e, portanto, a minimizar sua carteira de empréstimos em inadimplência.
  • A transferência dos pagamentos em numerário às contas poderia ser especialmente valiosa para as mulheres, que se beneficiam da maior confidencialidade e controle. Isto também pode ter maiores benefícios para a sociedade e o desenvolvimento.

 

Economias

  • As vantagens das economias formais são a segurança contra o roubo, o pagamento de melhores ingressos por juros e o controle do gasto impulsivo (e, portanto, a promoção de uma melhor administração do numerário).
  • Fortalecer o empoderamento econômico das mulheres oferecendo confidencialidade e maior controle sobre suas economias.
  • De todos modos, as pesquisas expressam incerteza sobre os mecanismos exatos que permitem as pessoas economizar mais ou administrar melhor seus fundos com uma conta de economia.

 

Crédito

  • Os empréstimos de uma instituição financeira formal podem dar melhores condições de crédito que os de prestamistas informais.
  • O microcrédito pode aumentar os gastos de consumo dos residências, os bens, a oferta de mão-de-obra e a assistência das crianças à escola, especialmente quando o microcrédito é concedido às mulheres.
  • De todos modos, os ensaios controlados aleatórios para avaliar o impacto do microcrédito extraíram “efeitos moderadamente positivos, mas não transformadores” do microcrédito como ferramenta de desenvolvimento (Banerjee et al., 2015).

 

Seguros

  • A evidência empírica documenta que os indivíduos adotam uma tecnologia de maior risco e rendimento se lhes é proporcionado acesso a um seguro agrícola formal.
  • A evidência demonstra que anima os agricultores a passar de cultivos de baixo rendimento e baixo risco a cultivos de alto rendimento e alto risco.
  • No entanto, os estudos não costumam avaliar as implicações para o bem estar da adoção da tecnologia de maior rendimento.

Em face ao futuro, um dos pilares principais nas distintas iniciativas de inclusão financeira ao redor do mundo tem como centro a promoção e incorporação de novas ferramentas digitais.

A inclusão financeira diminui, por sua vez, a probabilidade de que as pessoas caiam na pobreza, pois mitiga as consequências de gastos inesperados.

Dado o acelerado avanço das novas tecnologias, as inovações digitais brindam a promessa de uma inclusão financeira de amplo alcance e escala. O uso de meios digitais, especialmente para pagamentos, mas também para formas mais complexas de acesso e uso de serviços financeiros, mostrou um grande potencial para chegar a grandes segmentos da população financeiramente excluída.

Em resumo, a nível macroeconômico, benefícios como o incremento da economia formal, a redução de riscos e custos bancários, a criação de emprego, a estabilidade financeira, a efetividade da política monetária, o estímulo à atividade econômica, entre tantos outros, unem-se à promessa de reduzir a pobreza e as desigualdades.

A nível micro, quando as pessoas estão incluídas no sistema financeiro, possuem mais oportunidades para sair da pobreza ao investir em atividades econômicas ou em capital humano, por exemplo, em educação ou saúde.

A inclusão financeira diminui, por sua vez, a probabilidade de que as pessoas caiam na pobreza, pois mitiga as consequências de gastos inesperados.

Programas de educação e alfabetização financeira que acompanhem desenvolvimento do setor contemplando aspetos e capacidades da demanda, novas tecnologias que facilitem uma inclusão financeira digital responsável, e a valiosa intervenção de atores externos trabalhando em aliança com agentes e líderes locais, são todos fatores imprescindíveis que devem trabalhar sinergicamente em estratégias de inclusão financeira.

Com o recente fomento à inclusão financeira e a revolução Fintech que promete aprofundar e acelerar de maneira vertiginosa seu alcance, somos otimistas ao dizer que se realiza um valioso aporte aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Los argumentos expuestos en esta tribuna responden en exclusiva al punto de vista del autor, que es responsable de las opiniones manifestadas, y no reflejan en ningún caso la postura de la SEGIB

categorías:

Agênda 2030 Coesão Social Desenvolvimento Economia Inclusão Inovação ODS Sustentabilidade Tecnologia Tribuna


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.