Tribuna

“Como setor privado, nos sentimos uma das alavancas da mudança”

Para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) não só devemos nos unir, senão também intercambiar conhecimentos, capacidade técnica e de governança. Além disso é necessária uma tecnologia racional, investir em recursos financeiros e, principalmente, fazer esforços comprometidos com a mudança.

Temos, perante nós, desafios de enormes dimensões, algo que nos dá lucidez e ânimo para, entre todos, aportar cada um com sua experiência, ciência, conhecimento, determinação e coragem.

Se bem por sua dimensão é algo que de alguma forma nos assusta, ao mesmo tempo nos motiva para fazer algo incrível, enorme, desafiante e apaixonante.

Devemos ser conscientes de que contamos com aliados potentes, a tecnologia, a inovação, a experiência, a capacidade de cada um de nós. Unidos somos capazes de fazer algo tão grande como é necessário.

“Se cada individuo é capaz de aportar seu bem fazer, sua fortaleza e seu compromisso, entre todos poderemos ter um resultado extraordinário”

Responsabilidade do setor privado

Somos incapazes de varrer todas as calçadas de uma cidade, porém se cada um varre seu pedacinho de calçada, com certeza, a empresa é suportável.

A mesma coisa acontece com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: se cada individuo é capaz de aportar seu bem fazer, sua fortaleza e seu compromisso, entre todos poderemos ter um resultado extraordinário.

Devemos conscientizar e dar o exemplo, ser conscientes de nossas fortalezas e aportá-las, conhecer nossas debilidades e superá-las.

Como setor privado, nos sentimos uma das alavancas da mudança. 99,9 % das empresas do mundo somos P&mes, o coletivo que mais empregos cria, com muita diferença, frente a outros atores e o que mais trabalho de qualidade oferece.

Se tomamos consciência disso e somos capazes de sensibilizar nossos empregados, não só no plano produtivo senão também no cidadão, seremos o melhor veículo para chegar mais rápido e de uma forma capilar à população.

Responsabilidades

O Pacto Mundial das Nações Unidas (uma iniciativa que reúne empresas de todo o mundo para avançar nos ODS) colocou o foco no ponto 67 do texto da declaração 70/1 para transformar nosso mundo e dá um papel estratégico ao setor privado:

“A atividade empresarial, o investimento e a inovação privadas são os grandes motores da produtividade, o crescimento econômico inclusivo e a criação de emprego. Reconhecemos a diversidade do setor privado, que inclui tanto as microempresas como as cooperativas e as multinacionais.

“Exortamos todas as empresas a aproveitarem sua criatividade e inovação para resolver os problemas relacionados com o desenvolvimento sustentável.

“Fomentaremos um setor empresarial dinâmico e eficiente, protegendo ao mesmo tempo os direitos laborais e os requisitos sanitários e ambientais em conformidade com as normas e os acordos internacionais pertinentes”.

Como CEO de uma P&me familiar espanhola, uma de tantas que pertencem a 99,9% das empresas do mundo, o Pacto Mundial das Nações Unidas deu-me a oportunidade de formar parte desta organização.

E em nossa empresa aceitamos o desafio, um desafio universal e difícil, ao mesmo tempo que motivador e apaixonante: decidimos ser parte da solução e não do problema.

Sentimo-nos felizes e honrados de poder formar parte da junta diretiva do Pacto, a iniciativa de maior sustentabilidade do mundo. Somos uma das milhões de visões e realidades que conformam os pequenos, no entanto, imprescindíveis aportes.

Los argumentos expuestos en esta tribuna responden en exclusiva al punto de vista del autor, que es responsable de las opiniones manifestadas, y no reflejan en ningún caso la postura de la SEGIB

categorías:

Alianças ODS 17 Análise Tribuna

Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web, en cumplimiento del Real Decreto-ley 13/2012. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información