Tribuna

Como a cultura contribui ao desenvolvimento social dos países

O que hoje chamamos cultura para o desenvolvimento passou por inumeráveis etapas e tendências, até chegar ao que entendemos hoje.

O enfoque tem antecedentes no espírito de época dominante entre os anos 50 e 70, que consegue se expandir despois com o apoio de organismos internacionais de cooperação, que o assumem como um modelo complementar de estratégias de superação da pobreza.

É o contexto da mundialização o que facilita a emergência da cultura para o desenvolvimento, atendendo ao crescimento da produção e à distribuição massiva de bens e serviços culturais, e sua incidência nas populações e na sustentabilidade de seu desenvolvimento.

Esta visão nos propõe que são as capacidades humanas, e não as estruturas materiais, as que garantem a sustentabilidade do desenvolvimento.

Por esta razão, abrem-se possibilidades para os países “em desenvolvimento”, os quais podem criar condições culturais para o desdobramento econômico e social e para a exploração dos recursos mais bem distribuídos do planeta: as identidades e a criatividade de suas populações.

Diversidade criativa

A implicação que tem para as políticas culturais ficou consagrada no relatório da UNESCO “Nossa diversidade criativa”, de 1995. Quando a cultura se considera como base do desenvolvimento, a noção mesma de “política cultural” deve ser ampliada.

A existência de mais de 500 povos indígenas e nacionalidades no continente latino-americano representa uma reserva humana de conhecimentos, saberes, relatos e experiências de identidades ancestrais, que conseguiram chegar até o século XXI e cuja maior riqueza está nessa experiência de sobrevivência e resistência cultural.

Esta pode se converter em um recurso de governabilidade para as negociações por suas terras ou se transformar em suporte discursivo para os atores sociais emergentes e sua ação coletiva, ou bem ser uma oportunidade de empreendimentos econômicos para pequenas comunidades rurais que fazem destes saberes os conteúdos que respaldam suas práticas de turismo cultural e indígena.

A cultura para o desenvolvimento abre possibilidades aos países para que possam criar condições culturais para o desdobramento econômico e social e consigam uma melhor distribuição dos recursos

Interculturalidade

Desde a década de 1970 se produziu um giro discursivo nas incipientes políticas culturais institucionalizadas, passando desde o restritivo âmbito das belas artes e do patrimônio tangível rumo ao desenvolvimento de cidadania cultural e do exercício de seus direitos.

Duas agendas emergiram e tiveram derivações diferenciadas: diversidade cultural e interculturalidade.

A primeira teve duas décadas de promoção por parte dos organismos do sistema das Nações Unidas sem resultados muito visíveis, enquanto a de interculturalidade permeou todos os programas de educação intercultural bilíngue.

A interculturalidade acompanhou as mobilizações indígenas do continente latino-americano nos últimos 50 anos e chegou a influir em processos constituintes como o equatoriano e o boliviano, com a inclusão da cosmovisão ancestral de origem andino.

Dentro destas lições de sustentabilidade, a experiência indígena é a mais significativa e haverá de segui-la de perto.

Los argumentos expuestos en esta tribuna responden en exclusiva al punto de vista del autor, que es responsable de las opiniones manifestadas, y no reflejan en ningún caso la postura de la SEGIB

categorías:

Análise Cultura Desenvolvimento Indígenas Tribuna


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.