Tribuna

Cidades: novas oportunidades para a regeneração

ciudades, desarrollo sostenible, cambio climatico

As cidades ibero-americanas são cruciais no momento de liderar o avanço rumo a um desenvolvimento regenerativo que tenha em consideração os desafios da mudança climática e a necessidade de ações urgentes.

 

Na Ibero-América, três de cada quatro pessoas vivem agora em cidades ou áreas metropolitanas, e quatro das vinte megacidades do mundo estão localizadas em nossa região. Isto quer dizer que mais de 200 milhões de habitantes ibero-americanos migraram a núcleos urbanos durante as últimas décadas em busca de melhores serviços, melhor qualidade de vida e uma maior estabilidade econômica, que não sempre encontraram.

A proximidade teórica a serviços de saúde ou educação não sempre significa assegurar o acesso de qualidade

A mudança climática e a perda progressiva de biodiversidade em zonas rurais incrementou também a migração forçosa pela falta de recursos e os novos padrões de produção agrícola.

A forma na que estas megacidades são urbanizadas apresenta enormes desafios em termos de sustentabilidade e desenvolvimento, e em ocasiões, agrava os problemas sociais, as desigualdades e a falta de abastecimento de água, de energia ou de saneamento. Por outro lado, a proximidade teórica a serviços de saúde ou educação não sempre significa assegurar o acesso de qualidade.

 

Emissões de CO2 e saúde

As cidades são responsáveis de, aproximadamente, 70% das emissões de gases de efeito estufa e concentram as maiores porcentagens de enfermidades respiratórias devido à contaminação. Ainda que as cifras para a Ibero-América não estão definidas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, ao ano, são produzidos 7 milhões de falecimentos prematuros no mundo devido à contaminação do ar.

Se bem a pandemia contraiu a economia e também as emissões derivadas do transporte e da atividade industrial, a deflorestação não deixou de se incrementar, devido, em parte, à crescente demanda de carne e de alimentos por parte das cidades.

Se bem a pandemia contraiu a economia e também as emissões derivadas do transporte e da atividade industrial, a deflorestação não deixou de se incrementar

Estudos recentes demonstram como a Amazônia pode perder sua capacidade de capturar CO2 (dióxido de carbono), convertendo-se em emissor bruto, o quê desestabilizaria ainda mais as projeções climáticas.

O modelo de demanda de produtos agroalimentares por parte das cidades acarreta, em muitas ocasiões, um transporte excessivo e uma grande quantidade de embalagens dos alimentos para evitar que pereçam, ainda que um terço destes alimentos termine em vertedouros. O excesso de emissões por esse transporte, assim como o desperdício alimentar e os resíduos de embalagens, em sua maioria não recicláveis, é tão somente uma pequena parte das externalidades do consumo urbano.

 

O que está sendo feito na Ibero-América

No entanto, as cidades ibero-americanas estão sendo, ao mesmo tempo, o epicentro da inovação e da sustentabilidade, propondo soluções para uma população que quer viver de outra forma.

As hortas urbanas e comunitárias estão proliferando como modelos de soberania alimentar que abastecem de uma forma próxima e saudável. Os jardins verticais, os tetos verdes ou os bosques metropolitanos melhoram a qualidade do ar nas cidades, ao mesmo tempo que melhoram a saúde emocional de seus habitantes.

Resulta crucial o papel dos governos locais e sua capacidade de territorializar a Agenda 2030  e a Nova Agenda Urbana, abrindo as vias de participação da população.

Existem também experiências destacáveis na região em matéria de eficiência energética, captura de água de chuva ou economia circular para a gestão de resíduos, e as redes de cidades compartilham experiências e boas práticas.

Resulta crucial o papel dos governos locais e sua capacidade de territorializar a Agenda 2030  e a Nova Agenda Urbana, abrindo as vias de participação da população.

 

Não há cidades sem mundo rural

Esta pandemia nos mostrou a necessidade de repensar as cidades desde a cidadania, desde o afeto para com a natureza, mudando a maneira de nos movermos, de consumir e de habitar as ruas.

Estes meses nos ensinaram com claridade que não há mundo urbano sem mundo rural. Que vivemos graças ao que as zonas rurais produzem e que sentimos a necessidade de mais espaços verdes e de mais natureza quando estamos confinados.

O desafio imediato que temos na região será o de reverter o êxodo, incentivando núcleos populacionais mais reduzidos e um maior cuidado da terra e do mundo rural. O desafio de impulsionar uma nova economia mais afetiva, que seja capaz de regenerar a natureza, recuperar o déficit atual e melhorar nossa saúde e qualidade de vida.

Los argumentos expuestos en esta tribuna responden en exclusiva al punto de vista del autor, que es responsable de las opiniones manifestadas, y no reflejan en ningún caso la postura de la SEGIB

categorías:

Cambio Climático Cidade Desenvolvimento sustentável Tribuna


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.