Tribuna

As cozinhas ibero-americanas como eixo do desenvolvimento sustentável

Pichincha hornado (Ecuador). Foto del Ministerio de turismo de Ecuador

Já se perguntou alguma vez sobre todo o mundo cultural que há por trás do ato de cultivar, cozinhar e comer? Em como as cozinhas se relacionam com a natureza pela agricultura e os ingredientes e com a cultura pelas técnicas por trás das receitas? Em como, por trás disto, se encontram pessoas com histórias de hortas, mercados, fogões e mesas? Sabe sobre os empregos gerados e como as cozinhas incidem no turismo?

A resposta a estas e outras perguntas colocam as cozinhas ibero-americanas como ferramenta à mão e não totalmente explorada para a implementação de cada um dos 17 os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030.

Rosa Soto – Javier Enrique Godoy Fajardo – Chile

       O papel na Agenda 2030

A governança das políticas, programas e estratégias vinculadas com cozinhas como ferramentas de desenvolvimento sustentável permite explorar formas em que se pode pôr fim à pobreza (ODS 1), à desigualdade (ODS 10) em todas suas formas em todo o mundo (ODS 1), através da cadeia de valor da alimentação. Desde o campo, passando pelos mercados, até os lares.

De maneira mais específica, a Agenda 2030 se propõe pôr fim à fome, alcançar a segurança alimentar e a melhora da nutrição e promover a agricultura sustentável (ODS 2).

Nas cozinhas são definidos muitos dos indicadores de vida saudável e bem estar (ODS 3), para o qual a promoção de oportunidades de aprendizado durante toda a vida para todos, neste âmbito, é fundamental (ODS 4).

O aprendizado e consciência crítica de modalidades de consumo e produção sustentáveis (ODS 12) têm nas cozinhas uma plataforma de sensibilização, ao ser uma ação social cotidiana e que todas as pessoas realizam.

Pensar as cozinhas desde um enfoque de gênero (ODS 5) permite ampliar as oportunidades de justiça para cozinheiras tradicionais e de todas aquelas mulheres engajadas em diversos processos culinários.

Existe demasiada evidência de como conhecer as origens geográficas e históricas dos alimentos e sua traçabilidade intercultural permite falar da diversidade cultural, dos conflitos interculturais e do impacto das cozinhas naquilo que os países e as regiões chegaram a ser.

A cozinha é uma ferramenta única para se sentar, em uma mesma mesa, pessoas que não o fariam para debater ou construir soluções a conflitos, por esse motivo tem um papel fundamental na promoção de sociedades pacíficas e inclusivas (ODS 16).

As cozinhas são fundamentais para a identidade dos assentamentos humanos e das cidades (ODS 11), especialmente com relação ao sentido de pertinência vinculado com os sabores locais, compreendidos como a inclusão social, a resiliência e a segurança alimentar das cidades que estão vinculadas a elas.

“A cozinha é uma ferramenta única para construir soluções a conflitos, por esse motivo tem um papel fundamental na promoção de sociedades pacíficas e inclusivas”

      Desenvolvimento econômico e social

Que as cozinhas são uma fonte de crescimento econômico e de emprego produtivo não é algo novo. O desafio consiste em que as oportunidades econômicas sejam sustentáveis, inclusivas e responsáveis com o trabalho digno e o emprego produtivo (ODS 8).

Isto será fundamental para pensar na industrialização agroalimentar inclusiva e inovadora (ODS 9) que seja respeitosa com o meio ambiente.

Há muitos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que se relacionam com as cozinhas, como é o caso daqueles que abrangem a gestão sustentável da água e o saneamento (ODS 6), o uso de energia seguras, sustentáveis e seguras durante os processos culinários (ODS 7), assim como a conservação dos ecossistemas onde são gerados os ingredientes de nossas receitas, os oceanos, mares e recursos marinhos (ODS 14), a terra e os bosques, incluído o impacto da desertificação, a degradação das terras e a perda da diversidade biológica (ODS 15).

A adoção de medidas relacionadas com a soberania alimentar estará intrinsecamente vinculada com o combate à mudança climática, cujos efeitos estão impactando nos sistemas agrícolas, nas estações e na biodiversidade (ODS 13).

Cosecha de cacao – Juliana Carolina Bertone – Argentina

      Alianças

O espaço ibero-americano conta, desde 2014, com uma plataforma de cooperação regional chamada Ibercozinhas, cujo mandato é tecer alianças estratégicas para a salvaguarda, proteção e promoção das cozinhas ibero-americanas em suas dimensões de patrimônio e inovação.

Desde agosto de 2019, o Conselho Intergovernamental, integrado hoje pela Argentina, Chile, Colômbia, Equador, México, Panamá e Peru, decidiu apostar por uma implementação dos objetivos de desenvolvimento sustentável com enfoque de cozinhas.

Para isso, o Ibercozinhas busca impulsionar o projeto de políticas, programas, estratégias e iniciativas que abrangem quatro processos: conhecer as cozinhas, transformar as políticas, práticas e instituições, incidir com este conhecimento nas sociedades, e cooperar com atores e culturas tradicionalmente excluídos ou com potencial de sócios estratégicos.

Compreendemos que devemos conhecer nossas cozinhas ibero-americanas e nos propomos a sistematizar as boas práticas de metodologias de conceitualização e medição das cozinhas como patrimônio cultural e economia criativa.

É prioritário elaborar uma metodologia própria que permita a integração de diversas dimensões mais complexas, para contar com uma linha base para compreender as cozinhas como processos integrais. E, a partir desses conhecimentos, educar nessa complexidade das cozinhas Ibero-americanas.

No novo enfoque do Ibercozinhas, também estamos conscientizados de que esse conhecimento deve ser vinculado com políticas públicas integrais da cadeia de valor agroalimentar que promovam a economia criativa, a cultura gastronômica, a segurança e a soberania alimentares.

      Mapa das cozinhas ibero-americanas

Para transformar, o programa foi proposto desenvolver um mapa das Políticas Públicas da Cadeia de Valor Agroalimentar das Cozinhas dos países integrantes da iniciativa, como primeiro exercício a fim de avançar na compreensão das cozinhas para a implementação da Agenda 2030.

Este mapeamento permitirá reforçar as capacidades de formulação de ações específicas ao longo da cadeia de valor agroalimentar em nossos países e na Ibero-América.

Para cooperar, serão fortalecidas as alianças estratégicas com a finalidade de dar a conhecer, em uma primeira etapa, a diversidade das cozinhas ibero-americanas, em particular das cozinhas de povos indígenas, afro descendentes e migrantes.

Além disso, queremos engajar os ministérios de Relações Exteriores de nossos países para aprofundar no vínculo de nossas expressões culinárias com a projeção do país, a região e o estabelecimento de alianças estratégicas de cooperação através da denominada gastrodiplomacia.

Para incidir na sustentabilidade do Ibercozinhas como plataforma é imprescindível escutar as vozes múltiplas dos sabores e saberes locais e nacionais, mas desde uma rota que permita construir o regional com rigor científico, evidência cultural e responsabilidade social.

Para tanto projetaremos ferramentas comunicativas que permitam uma melhor coordenação e cooperação com outras instituições com missões vinculadas às cozinhas como, por exemplo, as que promovem o turismo sustentável da região.

O desafio é construir uma marca gastronômica ibero-americana desde um diálogo intercultural que nos identifique como espaço cultural diverso e inclusivo como nossas cozinhas mesmas.

Los argumentos expuestos en esta tribuna responden en exclusiva al punto de vista del autor, que es responsable de las opiniones manifestadas, y no reflejan en ningún caso la postura de la SEGIB

categorías:

Agênda 2030 Análise Cooperação Ibero-Americana Cultura Gastronomía Sustentável ODS Programas, Iniciativas e Projetos Adscritos Tribuna


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web, en cumplimiento del Real Decreto-ley 13/2012. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.