Tribuna

AeTrapp, um projeto inovador proposto desde a cidadanía

Trampa para mosquitos AETrap

Trampa para mosquitos AETrapp

No início de 2015 fomos convidados para realizar uma ocupação em um espaço comunitário no entorno de Brasília, com o desafio de estimular os jovens da comunidade a se transformarem de consumidores em produtores de tecnologia. Após poucas semanas aprendendo sobre o desenvolvimento básico de software e hardware livres, os jovens de Águas Lindas de Goiás já eram capazes de desenvolver video games simples e pequenos robôs com sensores. Eram muito criativos e adquiriam conhecimento com muita facilidade, mas sua aplicação tendia principalmente ao entretenimento. Por que não aplicar esses novos conhecimentos para a solução de problemas comunitários?

Começamos então a investigar com os jovens quais eram os problemas compartilhados no território, e ficou clara a importância da dengue naquele momento, uma enfermidade que tinha um alto impacto no município. Investigamos juntos como o poder público e a sociedade enfrentavam esse problema e, inspirados por experiências de monitoramento independente de qualidade de água e do ar, propusemos um sistema de monitoramento comunitário de populações de mosquitos Aedes, vetores da dengue, zika, chikungunya e febre amarela urbana. Daí surgiu a semente do que se transformou posteriormente no Projeto AeTrapp – Monitoramento Cidadão de Focos de Mosquitos Aedes.

Fizemos os primeiros experimentos nesse período, sem muito sucesso pois já estávamos na estação seca, quando a população dos mosquitos diminui.

 

O papel dos laboratórios cidadãos no crecimento do projeto

Algum tempo depois, surgiram duas oportunidades para as quais submetemos o projeto, um edital do Ministério das Comunicações do Brasil, chamado InovApps, e o Labic – Laboratório Iberoamericano de Inovação Cidadã, que naquele ano seria no Brasil. O projeto foi selecionado em ambos.

O Labic possibilitou a reunião de uma equipe multidisciplinar, formada por pessoas de diversos países, que durante 15 dias se debruçou no desenho e prototipagem do sistema AeTrapp. O sistema é composto basicamente por 4 elementos: as “aetrampas” (armadilhas onde as fêmeas de Aedes depositam seus ovos), um aplicativo para dispositivos móveis, um algoritmo para a contagem automatizada do número de ovos nas amostras e um mapa aberto, disponibilizando os dados do monitoramento para a população e poder público, em tempo real. O prêmio InovApps deu um fôlego para que o projeto prosseguisse por algum tempo após o Labic.

Alguns meses depois, em 2016, surgiu no Brasil o Desafio Google de Impacto Social. O projeto não estava vinculado a nenhuma instituição formal no momento, então fizemos uma parceria com o WWF-Brasil para participarmos desse desafio. O AeTrapp foi um dos dez projetos vencedores, e com o WWF estabelecemos parcerias importantes com instituições de pesquisa, prefeituras, governos estaduais e organizações da sociedade civil. Em pouco tempo tínhamos uma rede de parceiros importantes envolvidos, como a Fiocruz, WWF, Google, Instituto Paulo Freire, Prefeituras Municipais de Rio Branco-AC e Recife-PE, Institutos Federais Tecnológicos do Acre e Pernambuco, entre outros. Tivemos também importante apoio financeiro da Fundação Oak, da Suíça.

Passamos cerca de três anos em um processo intenso de pesquisa e desenvolvimento tecnológico com esses parceiros. Nesse período realizamos pesquisas em campo no Rio de Janeiro e Rondônia, e pilotos envolvendo a população no Acre e Pernambuco. No final de 2018 consideramos que a tecnologia estava suficientemente madura para iniciarmos a próxima etapa, o processo engajamento da população no primeiro sistema civil de vigilância de mosquitos Aedes.

Atualmente

Em 2018 fundamos o Instituto Invento, que assumiu a coordenação do Projeto AeTrapp, e desde então, com o apoio da Fundação Oak, estamos experimentando diferentes estratégias para o engajamento da população no papel de cientistas cidadãos. Essa etapa tem se demonstrado tão desafiadora como foi a de pesquisa e desenvolvimento, mas seguimos aprendendo com os acertos e erros e buscando ajustar as estratégias para avançarmos mais essa etapa.

Com os dados gerados pelos colaboradores por meio do AeTrapp, a sociedade civil e agentes públicos poderão visualizar os focos de vetores, fazer comparativos de quantidades de mosquitos em diferentes localidades, analisar séries históricas e assim elaborar estratégias precisas e urgentes para o combate ao Aedes, priorizando as áreas mais críticas. O aplicativo está disponível para download, e qualquer pessoa no Brasil já pode colaborar com o monitoramento. Toda ajuda para a mobilização é bem vinda nesse momento!

Los argumentos expuestos en esta tribuna responden en exclusiva al punto de vista del autor, que es responsable de las opiniones manifestadas, y no reflejan en ningún caso la postura de la SEGIB

categorías:

Cidadania Ciência Inovação Inovação Cidadã Meio Ambente Meio Rural Tribuna


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.