Universidade

Bolsas, um exitoso instrumento de cooperação a favor do conhecimento científico

As bolsas do projeto Campus Ibero-América melhoraram a qualidade das instituições de educação superior e incrementaram as capacidades de estudantes, pessoal docente e pesquisadores. Por isso, há de se seguir apoiando a mobilidade, diz José Antonio Sanahuja, diretor de Fundação Carolina

A cooperação no campo universitário e da pesquisa resultam de vital

importância para desenvolver conhecimento especializado nos mais diversos âmbitos, o que, por sua vez, contribui a gerar valor social e inovação para cada sociedade e seus territórios.

Por isso, o programa de bolsas da Secretaria-Geral Ibero-americana (SEGIB) – Fundação Carolina, desenvolve-se em um espaço ibero-americano onde “o intercâmbio, a gestão e a criação compartilhada de conhecimento provaram a enorme importância na melhora da qualidade das instituições de educação superior e no incremento de capacidades de seus estudantes, do pessoal docente e pesquisador”, explica José Antonio Sanahuja, diretor da Fundação Carolina.

As bolsas SEGIB – Fundação Carolina inscrevem-se no Campus Ibero-América, o projeto ibero-americano que impulsiona a mobilidade de estudantes, pesquisadores/as e trabalhadores/as entre os 22 países da Ibero-América, com o fim de que possam ampliar estudos, pesquisar e/ou realizar práticas laborais em outros países da região.

 

Como a COVID-19 afeta a mobilidade acadêmica

Nestes momentos, a mobilidade acadêmica internacional “se encontra claramente afetada por uma situação mundial inédita, complexa e cambiante, e todos os organismos nela implicados, como a Fundação Carolina, nos encontramos em meio a uma notável incerteza”, remarca Sanahuja.

Apesar disso, e graças ao fato de os e as estudantes internacionais estarem contemplados na normativa espanhola e da União Europeia (UE) como exceção para ingressar ao espaço europeu, a Fundação Carolina, em consulta com a Conferência de Reitores das Universidades Espanholas, CRUE-Universidades, tomou a decisão de seguir adiante com sua atividade acadêmica.

O diretor da Fundação Carolina explica que, no caso da Espanha, estas atividades foram adaptadas às circunstâncias e às necessidades das pessoas beneficiárias das

bolsas, segundo as diretrizes das universidades e das autoridades sanitárias de cada comunidade autônoma.

Por sua vez, Sanahuja propõe que “a mobilidade acadêmica deve seguir apostando

pela Agenda 2030 e seus Objetivos de Desenvolvimento sustentável, seu roteiro, e neste sentido, a cooperação em conhecimento e pesquisa deve se situar como um elemento crucial”.

 

Desafios

“Na atual situação, devemos manter e promover iniciativas como o programa de bolsas SEGIB – Fundação Carolina, porque se trata de um instrumento insubstituível de cooperação avançada no marco do Espaço Ibero-americano de Conhecimento.

Por isso, Sanahuja advoga por afrontar o desafio de “continuar oferecendo oportunidades que impulsionem o desenvolvimento da região através de seus programas, porque constitui uma ferramenta muito potente para contribuir à criação de uma cidadania global comprometida, capaz de afrontar os desafios do mundo pós-pandemia”.

“Hoje, mais do que nunca, é quando se reivindica um tipo de cooperação acadêmica que tenha em conta o valor social, baseado no impacto da ação de cooperação no território, no fortalecimento da institucionalidade nos países de origem das pessoas bolsistas, e que ponha o ênfase nas desigualdades sociais”, afirma.

E completa: “Por exemplo, este programa pretende afrontar as conhecidas brechas de gênero que ainda existem em áreas STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática), nas quais a presença de mulheres é menor”.

 

As bolsas SEGIB – Fundação Carolina: o quê ter em conta

Ao menos 80% das bolsas são adjudicadas a projetos de pesquisa para residentes na América Latina a fim de que desenvolvam estâncias de pesquisa na Espanha.

20% restantes são outorgados a projetos de pesquisa de pessoas residentes na Espanha para realizar estâncias na América Latina. 

60% das bolsas são adjudicadas a projetos de pesquisa em disciplinas STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemáticas).

Entre as bolsas adjudicadas a disciplinas STEM, ao menos 60% são destinadas a pesquisadoras

 

Conheça algumas histórias de pesquisadoras das bolsas do campus universitário.
 

DADOS da Convocatória 2019 – 2020:

 

987 solicitações

67 bolsas

42 bolsas para mulheres

25 bolsas para homens

58 bolsas para estudantes da América Latina

9 bolsas para estudantes da Espanha

 

DADOS da Convocatória 2020 – 2021

 

854 solicitações

100 bolsas

63 bolsas para mulheres

37 bolsas para homens

86 bolsas para estudantes da América Latina

14 bolsas para estudantes da Espanha

 

Fuente: Fundação Carolina

 

 

categorías:

Ciência Cooperação Ibero-Americana Educação Histórias Investigación Mujeres Universidade


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.