Mujeres

Mulheres rurais: resgatar seu papel chave na agricultura e eliminar desigualdades

As mulheres do âmbito rural têm um rol importante na produção agrícola e na segurança alimentar. No entanto, ainda persistem importantes desigualdades, dizem desde o Centro Latino-americano para o Desenvolvimento Rural (Rimisp), uma organização com sede no México que trabalha para o desenvolvimento rural da América Latina.

Se as mulheres e as meninas já estavam em desvantagem na pandemia da COVID-19, sua situação se agravou mais a ainda nas zonas rurais, apesar de ter papéis cruciais na agricultura e na segurança alimentaria. 

Segundo projeções recentes da Comissão para América Latina e o Caribe (CEPAL, 2020), 6 milhões de mulheres rurais poderiam cair na pobreza extrema como consequência da pandemia.  

A isto se soma que, de acordo com cifras da Organização para a Agricultura e a Alimentação (FAO, 2018) 8,4% das mulheres da América Latina e o Caribe experimentam insegurança alimentar severa, em comparação com 6,9% dos homens.  

Ao mesmo tempo, um relatório conjunto da ONU Mulheres, a CEPAL, a FAO e o Centro Latino-americano para o Desenvolvimento Rural (Rimisp) destaca que a aplicação de políticas públicas pode ajudar as mulheres a fechar a brecha de gênero.  

Neste sentido, o estudo denominado “Enfoque Territorial para o Empoderamento das mulheres rurais na América Latina e o Caribe” identifica algumas áreas como o acesso e controle de recursos agrícolas, a educação, os serviços de extensão e financeiros, apoio para que as mulheres acedam a mercados e para que disponham de mais recursos para as atividades produtivas por meio de tecnologias, infraestrutura e prestações.  

São iniciativas que, de maneira gradual, foram implementadas nos países da região, mas cujos resultados “são lentos e marginais e não conseguiram modificar a estrutura de oportunidades”, adverte o relatório.  

 

O caso do México  

No México, 15 por cento do total de produtores são mulheres, destacou o titular da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural desse país, Vítor Villalobos Arámbula, em um ato pelo Dia Internacional das Mulheres Rurais.  

“São um setor crucial para o desenvolvimento rural e a erradicação da fome, ao produzir a metade dos alimentos no mundo, pelo que é urgente alcançar a equidade e impulsionar sua participação plena e efetiva nos processos produtivos”, disse o funcionário.   

Por sua parte, a diretora do Rimisp México, Yuritzin Flores Puig, afirma que existem “políticas públicas desde os Estados com o apoio de bolsas às famílias”. Mas isto, a seu entender, fomenta a imagem da mulher “como cuidadora do lar, deixando de lado seu rol produtivo”.   

Para Flores Puig, os desafios do mundo rural, nas pequenas produtoras, é o acesso à capacitação: “É um forte desafio, mediante a cooperação ao desenvolvimento dirigido para as mulheres”.   

Outro é “a inclusão com perspetiva de gênero em suas comunidades, nas políticas públicas, e promover a sua participação em espaços políticos, empregos dignos e bem remunerados”, acrescenta.   

No México, ser mulher rural, camponesa e indígena tem uma conotação forte, expressa a especialista, “porque é sinônimo de pobreza e desigualdade”.   

Como saída a este problema, “elas se organizaram em cooperativas de mulheres produtoras de milho, de aves e de frutas, entre outras. Um setor de pequenas e médias produções que se consolidaram e hoje sobressaem”, destaca.  

 

Participação social e política  

Observatório de Gênero , Mulheres e Territórios do Rimisp atualizou, a junho de 2020, o relatório “Análise de brechas de gênero e territoriais em indicadores de participação social e política”, que recolhe dados de uma amostra de territórios rural-urbanos de três países: Colômbia, México e Chile.   

A análise comparada mostra uma alta participação eleitoral de homens e mulheres que habitam em territórios rural-urbanos. No entanto, a participação tende a diminuir em outros âmbitos como os partidos políticos, a afiliação de sindicatos, e a participação em cooperativas e associações de vizinhos.  

Estas cifras voltam a mostrar um panorama de desigualdade territorial e de gênero, onde os territórios menores apresentam menores níveis de participação, e dentro deles as mulheres participam em menor proporção que os homens.   

Se bem esta história está mudando, não o faz em todos os lugares por igual. “O lugar onde se habita continua sendo determinante”, conclui o estudo. 

categorías:

Agricultura Coesão Social Gênero Histórias Meio Rural Mujeres


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.