Indígenas

Ibero-América avança na criação do Instituto Ibero-americano de Línguas Indígenas

Entre os dias 13 e 14 de junho de 2019 foi realizada em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, a primeira Reunião de Cooperação Sul-Sul para avançar na criação do Instituto Ibero-americano das Línguas Indígenas, organizada pelo Estado Plurinacional da Bolívia – Comitê Diretivo Interinstitucional do Ano Internacional das Línguas Indígenas-, o Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas da América Latina e o Caribe FILAC e a Secretaria Geral Ibero-americana.

Este evento foi realizado no marco do cumprimento ao mandato da XXVI Cúpula Ibero-americana de Chefes de Estado e de Governo que solicitou em um comunicado especial, à Secretaria-Geral Ibero-americana – SEGIB, à Organização de Estados Ibero-americanos para a Ciência e a Cultura (OEI) e ao Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas de Latino-América e o Caribe (FILAC), elaborar uma proposta do Instituto Ibero-americano de Línguas indígena a ser apresentada aos Estados durante este ano 2019.

O objetivo da reunião foi estabelecer um diálogo de saberes e práticas institucionais inovadoras e efetivas para a revitalização das línguas dos povos indígenas da Latino-América e o Caribe, desde o enfoque da Cooperação Sul-Sul, assim como gerar insumos para a elaboração da proposta do Instituto Ibero-americano de Línguas Indígenas.

Contou-se com participantes da Argentina, Bolívia, Canadá, Cuba, Colômbia, Costa Rica, Chile, Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala, México, Nicarágua, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela. Estiveram presentes autoridades nacionais, embaixadores, especialistas, convidados e representantes de povos indígenas. Também esteve presente uma representação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Participantes de la primera Reunión de Cooperación Sur-Sur para avanzar en la creación del Instituto Iberoamericano de las Lenguas Indígenas. Bolivia, junio de 2019

Na reunião, os participantes coincidiram na delicada situação das línguas indígenas: as 500 línguas indígenas que ainda são faladas na América Latina estão todas em situação de maior ou menor ameaça ou risco. Mais de 25% destes idiomas estão em risco de extinção, se é que não se fizer algo urgente ao respeito. À sua vez, é indispensável chamar a atenção sobre o fato que mais de 100 idiomas indígenas constituem línguas partilhadas ou transfronteiriças. Neste contexto, é evidente a urgência por tomar medidas de fundo que permitam atender as causas que as geram assim como reverter a tendência atual.

 

Ainda assim, foi reconhecido o rol histórico das mulheres indígenas na conservação e proteção dos idiomas indígenas assim como na transmissão às presentes e futuras gerações. Rumo ao futuro se reconhece que a responsabilidade deve ser partilhada, e se ressaltaram os compromissos internacionais dos Estados sobre os direitos dos povos indígenas, entre eles a Declaração das Nações Unidas sobre os direitos dos povos indígenas, a Declaração Americana sobre os direitos dos povos indígenas e o Convênio Internacional do Trabalho Número 169 sobre povos indígenas e tribais, assim como o acompanhamento dos povos indígenas em sua implementação.

Os participantes partilharam também a transcendência de construir um instituto Ibero-americano que atenda as graves ameaças que as línguas indígenas enfrentam, em especial aquelas em perigo de extinção, assim como a necessidade de conservar, revitalizar, fomentar e desenvolver as línguas indígenas tanto a nível nacional, regional como internacional, e agradeceram o Estado Plurinacional da Bolívia por seus bons ofícios na realização da primeira Reunião de Cooperação Sul-Sul para avançar na criação do Instituto Ibero-americano das Línguas Indígenas.

Como dado importante, os assistentes recomendaram que os Estados respaldem a proposta de declarar o decênio internacional das línguas indígenas entre os anos 2021-2030.

Por sua parte, o Governo do Estado Plurinacional da Bolívia, a Secretaria-Geral Ibero-americana (SEGIB), a Organização de Estados Ibero-americanos para a Ciência e a Cultura (OEI) e o Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas de Latino-América e o Caribe (FILAC), comprometeram-se a informar dos resultados aos Coordenadores Nacionais e Responsáveis de Cooperação Ibero-americana.

Todas as experiências apresentadas sobre direitos linguísticos, revitalização cultural, gestão intercultural e ações inovadoras para a revitalização linguística, junto com o rascunho zero para a criação do Instituto Ibero-americano de Línguas Indígenas, deverão ser sistematizados para se constituírem em insumos no processo de criação do Instituto Ibero-americano de Línguas Indígenas.

categorías:

Atualidade Coesão Social Identidade Indígenas Interculturalidad


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.