Energía

Estes são os países que mais avançam na transição energética

Uruguai, Costa Rica, Colômbia, Brasil e Chile são líderes em transição energética na América Latina, uma região com grande potencial em recursos renováveis onde a demanda elétrica cresce mais do que a produção de energia.

Ainda que a diferentes velocidades, a Ibero-América avança rumo à transformação energética para o uso e consumo de energias limpas.  O maior desafio é aumentar a geração elétrica a partir de energias renováveis não convencionais (solar, eólica) e promover a eficiência energética para que as renováveis sejam capazes de abastecer toda a demanda energética.

O Uruguai, a Costa Rica, a Colômbia, o Brasil e o Chile  são os cinco países latino-americanos mais adiantados na transição energética e os primeiros no ranking da América Latina e o Caribe, ao superar amplamente a média regional de 58,6% no Índice de Transição Energética (ETI), segundo dados do relatório “Promovendo uma transição energética efetiva 2021” publicado pelo Foro Econômico Mundial.

A Espanha, que ocupa a posição 17 no ranking global com uma pontuação de 68.31 e Portugal, o posto 19 com 68.21%, pertencem ao grupo de economias mais avançadas quanto à sustentabilidade energética. Este grupo de países, liderados pela Suécia, Noruega, Dinamarca, Suíça e Áustria, têm um índice médio de 68,4, graças ao seu constante avanço na sustentabilidade ambiental de seus mercados energéticos.

A América Latina alcançou 60% de renovabilidade na capacidade instalada de geração elétrica. Ainda que a região se aproxime à meta de 70% de produção energética renovável, é necessário acelerar a transição.

 

Luzes e sombras

O Índice de Transição Energética (ETI por suas siglas em inglês) compara o desempenho dos sistemas energéticos de 115 países em duas grandes áreas: rendimento do sistema e preparação para a transição.  Dentro da área de rendimento são consideradas variáveis como desenvolvimento e crescimento econômico, sustentabilidade meio ambiental, segurança energética e acesso à energia. Neste item, a América Latina obtém uma pontuação média de 65.8, sendo o crescimento e o desenvolvimento econômico seus pontos fracos.

No entanto, onde a região mais tem de trabalhar é no segundo componente do ranking: a preparação para a transição, porque, ainda que conte com uma boa infraestrutura e capacidade instalada em renováveis, deve melhorar sua fortaleza institucional e governança, a preparação do recurso humano e fortalecer o compromisso político e a regulação do mercado, segundo refletido nos resultados regionais do relatório.

VEJA- Os resultados do ETI para a América Latina e o Caribe

A América Latina alcançou, em 2021, 60% de “renovabilidade” na capacidade instalada de geração elétrica e conta com uma posição privilegiada para acelerar a transição rumo à oferta e consumo de energias renováveis, por sua abundância de água, energia solar e vento, explicam desde a Organização Latino-americana de Energia (OLADE).

Os estudos da OLADE também situam o Uruguai e a Costa Rica como líderes regionais na geração elétrica a partir de fontes renováveis e destacam os grandes avanços do Paraguai e da Guatemala no que se refere à geração hidroelétrica. Estes países chegaram a ter 100% de participação de renováveis em sua matriz de geração elétrica.

Eficiência energética, um recurso crucial

Apesar de a região aumentar a demanda de energia elétrica até um ponto em que a oferta de renováveis não é capaz de satisfazê-la, pouco se fala do potencial da eficiência energética, um recurso que todos os países possuem em abundância e é crucial para impulsionar uma energia universal, segura e acessível sem alterar os limites ambientais.

Desde o Observatório de Mudança Climática e Desenvolvimento Sustentável La Rábida explicam que, se o crescimento do PIB representa um incremento do uso de energia hoje em dia, a eficiência energética é crucial para que em algum momento as energias renováveis possam chegar a abastecer toda a demanda.

Para as empresas, investir em eficiência energética significa uma redução de custos de operação e manutenção, assim como melhorar sua produtividade e seu valor agregado, favorecendo, além disso, a criação de indústrias locais.

Em conclusão, a transição energética não só envolve a geração e consumo de energia a partir de fontes renováveis, senão um uso inteligente e sustentável da mencionada energia que permita reduzir, cada vez mais rápido, a dependência dos combustíveis fósseis em um mercado altamente tensionado pela geopolítica.

categorías:

Cambio Climático Energía Histórias Sustentabilidade Transformação energética na Ibero-América Transición energética


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.