Cooperação Triangular

Repensar a cooperação para uma recuperação guiada pelos ODS

O caminho rumo à recuperação econômica oferece a oportunidade de “repensar” a cooperação internacional rumo a relações mais horizontais, com alianças de múltiplos atores e a todos os níveis. Que papel desempenham a Ibero-América e a União Europeia no caminho rumo a uma cooperação inovadora com o horizonte da Agenda 2030?

A guerra na Ucrânia acrescenta novas incertezas à tímida recuperação de uma pandemia cujas sequelas sociais e econômicas continuam golpeando duramente a Ibero-América. Apesar das tensões internacionais, nossos países já estão pondo em funcionamento seus planos de recuperação. Momento de se perguntar: A qual normalidade queremos voltar?

O maior perigo poderia ser uma saída da crise que leve a um retorno à normalidade anterior”, adverte o estudo ”A cooperação Sul-Sul e Triangular e Agenda de Desenvolvimento Sustentável: Nós críticos e horizontes na resposta à COVID-19, um resultado da aliança entre a Secretaria-Geral Ibero-americana (SEGIB) e a Comissão Europeia para promover modelos inovadores de cooperação Sul-Sul e Triangular.

Em uma América Latina com problemas estruturais que antes da pandemia já estancavam a economia e aprofundavam as desigualdades e perante uma importante diminuição da Ajuda Oficial ao Desenvolvimento (AOD) e limitadas margens fiscais para as políticas sociais, parece claro que não são bons tempos para a região. Neste cenário, existe um risco real de retrocesso e paralização no cumprimento da Agenda 2030.

Se é certo que das grandes crises surgem também as grandes transformações, a sacudida sem precedentes que significou a pandemia poderia detonar uma redefinição da própria arquitetura do sistema de cooperação internacional e a forma de entender o desenvolvimento que tal cooperação busca propiciar, um desenvolvimento com múltiplas dimensões e que é muito mais que só crescimento econômico.

É necessária uma reforma do sistema de cooperação internacional que responda à Agenda 2030 propiciando relações mais simétricas e horizontais

Se isto fosse assim como deve ser essa nova (e melhor) cooperação que ajude a construir um novo (e melhor) tempo? Bernarbé Malacalza, autor do estudo sobre cooperação e desenvolvimento sustentável afirma que “é necessária uma reforma do sistema de cooperação internacional que responda à Agenda 2030 propiciando relações mais simétricas e horizontais, que convide a colaboração de diferentes atores a diferentes níveis”.

Uma das grandes lições da crise da COVID foi precisamente a consciência da “globalidade” e interdependência dos desafios, algo que também propõe a Agenda 2030. Durante a pandemia, esses desafios compartilhados intensificaram na Ibero-América uma colaboração a distintos níveis e com múltiplos atores aplicando lógicas integradoras, horizontais e inovadoras, que entendiam que todas as respostas não estão de um lado nem todos os problemas no outro.

O potencial da cooperação triangular

Cooperação Sul-Sul da SEGIB, a crise da COVID-19 evidenciou a falta de flexibilidade que o atual sistema de cooperação internacional vem arrastando. Por isso, explica, frente à pandemia ganharam relativa importância novos instrumentos como a Cooperação Sul-Sul (CSS) e Triangular (CT). O contexto atual, sublinha Rivero, nos chama a somar esforços e atuar de maneira coordenada perante problemas que superam as fronteiras e que têm um componente claramente global.

A Cooperação Triangular é mencionada, cada vez com mais frequência, nos foros internacionais como uma dinâmica transformadora que poderia impulsionar uma mudança sistêmica demandada pela Agenda 2030.

Por sua parte, o autor principal do estudo sobre Cooperação e Desenvolvimento Sustentável, Bernabé Malacalza opina que, “a comunidade de cooperação internacional está em um momento crucial para potenciar associações eficazes para o intercâmbio horizontal de conhecimento e um pensamento inovador”. Em que consiste, exatamente, a inovação que representa a cooperação triangular para enfrentar melhor esta e futuras crises?

Que valor acrescentado aporta a Cooperação Sul-Sul e Triangular em um contexto como o atual? Trata-se, segundo Rivero, de uma cooperação baseada em capacidades e não em uma mera transferência de recursos financeiros, algo sumamente importante em tempos de dificuldade econômica. Outra vantagem importante é que oferece maiores possibilidades de somar cada vez mais atores para buscar soluções compartilhadas a desafios comuns, como sucede com a pandemia.

No entanto, há duas características que fazem da CSS e da CT instrumentos muito úteis para aplicar a Agenda 2030. A primeira é a horizontalidade onde a hierarquia tradicional doador-receptor se transforma em uma relação entre sócios. A segunda é seu enfoque multidimensional, que conecta com a própria concepção de desenvolvimento proposta pela Agenda 2030, amplia Rivero.

O modelo ibero-americano

Nas últimas décadas, a Ibero-América adquiriu um papel protagonista na promoção da CSS e da CT e é a região do mundo na que estas modalidades de cooperação se encontram mais presentes, aponta o responsável do Espaço de Coesão Social da SEGIB.

“Na Ibero-América foi conjugada uma forma de entender o desenvolvimento e de cooperar em pleno alinhamento com a Agenda 2030, cuja trajetória em Cooperação Sul-Sul e Cooperação Triangular é mais ampla que no resto do mundo”, coincide a ex-diretora da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID), Carmen Castiella.

O estudo sobre Cooperação Triangular e desenvolvimento sustentável conclui que a Ibero-América pode inspirar e detonar uma nova forma de entender a cooperação ao desenvolvimento, ancorada nas chamadas “3M”: Multiator, Multinível e Multisetorial, que são precisamente os sinais de identidade da cooperação ibero-americana e a proposta de ação da própria Agenda 2030.

Os valores da cooperação ibero-americana podem inspirar transformações na arquitetura da cooperação internacional na lógica de desenvolvimento proposta pela Agenda 2030

A SEGIB, por sua parte, possui um “saber fazer”, com aval por mais de uma década de geração de formas comuns de registro e quantificação da Cooperação Sul-Sul e Triangular, o qual pode ser de grande utilidade para elaborar conjuntamente relatórios regionais, setoriais ou globais nestas modalidades de cooperação.

Graças a esse trabalho de sistematização, constata-se que os países ibero-americanos avançaram consideravelmente no alinhamento de sua cooperação com os ODS, já que, durante as últimas décadas, através da Cooperação Sul-Sul e Triangular nossos países desenvolveram capacidades em saúde e gestão de desastres que provaram ser decisivas para afrontar a emergência derivada da pandemia em nossa região.

Uma ponte entre a Europa e a América Latina

Em momentos em que o multilateralismo está em horas baixas e se reduz a cooperação e a Ajuda Oficial ao Desenvolvimento (AOD), é chamativo que a Secretaria-Geral Ibero-americana e a União Europeia se unam para construir juntas “um modelo inovador de Cooperação Triangular”, uma aliança da qual surge, precisamente, o estudo sobre Cooperação e Desenvolvimento Sustentável que explicamos neste artigo, ao igual que outros trabalhos sobre cooperação descentralizada e cooperação com povos indígenas.

Trata-se de uma aliança com grande potencial, explica Rivero, já que a União Europeia (UE) como bloco, da mesma forma que seus países membros são os principais doadores a nível mundial de Ajuda Oficial ao Desenvolvimento, pelo quê, “uma redefinição das relações de cooperação entre a UE e a América Latina impregnada dos valores da CSS e CT poderiam permear o conjunto do sistema internacional derivando em um modelo global mais horizontal”.

Alianças e colaboração a todos os níveis, desde os territórios até os governos, somando a cidadania, a sociedade civil, as empresas, com um enfoque integral do desenvolvimento que se constrói através de relações mais horizontais que é o espírito da Agenda 2030 e o ADN de uma cooperação transformadora que a Ibero-América e a Europa estão construindo neste momento.

categorías:

Agênda 2030 Ajuda ao Desenvolvimento Capacidades Cooperação Cooperação Ibero-Americana Cooperação Sul-Sul Cooperação Triangular Desenvolvimento Desenvolvimento sustentável Desigualdade Destacado ODS Relaciones Internacionales Sustentabilidade Tema destacado


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.