Cooperação Sul-Sul

Por que a Ibero-América é considerada uma potência global em Cooperação Sul-Sul

Há 40 anos era aprovado na Argentina o Plano de Ação de Buenos Aires (PABA), o documento fundacional da Cooperação Sul-Sul e Triangular. Era um mundo que começava a tecer suas relações pouco a pouco, graças à crescente interdependência de nossos países, e que acreditava em vínculos mais simétricos.

Quatro décadas depois, estamos em um cenário global completamente diferente, no qual há uma maior polarização e se observa um debilitamento das instituições multilaterais.

Ainda assim, a Cooperação Sul-Sul (a que ocorre entre nações como iguais para buscar soluções concretas aos desafios do desenvolvimento) mostra um enorme dinamismo na Ibero-América.

Mas não só isso: nossa região é considerada uma potência mundial neste tipo de colaboração e é a única que produz um relatório regular sobre a matéria.

A secretária-geral ibero-americana, Rebeca Grynspan, assegura que a Cooperação Sul-Sul tem mais vigência do que nunca no atual contexto mundial, já que este exige seguir avançando rumo a “uma participação igual e soberana na condução das relações internacionais e uma distribuição equitativa dos benefícios”.

A experiência ibero-americana nesta matéria foi tão rica que outras regiões do mundo a tomaram como orientação

Dinamismo

A Secretaria-Geral Ibero-americana (SEGIB) liderada por Grynspan tem, precisamente, o mandato de fortalecer a Cooperação Sul-Sul e desde há mais de uma década publica um reporte anual sobre seus avanços.

A edição 2018 do relatório recolhe, sistematiza e analisa um total de 1.355 iniciativas de cooperação entre países ibero-americanos. A maioria delas se registram nas áreas de saúde, agricultura e fortalecimento institucional.

Descarregue aqui o “Relatório da Cooperação Sul-Sul na Ibero-América 2018”

Descarregue aqui o “Relatório da Cooperação Sul-Sul na Ibero-América 2018”

Como oferente, o México contabilizou o maior volume de iniciativas, seguido pela Argentina, Chile e Brasil. Por outro lado, como receptor, El Salvador registrou o maior número de intercâmbios, por diante do México e da Colômbia.

Mas a Cooperação Sul-Sul também teve uma forte projeção a nível internacional. Segundo o relatório de 2018, atualmente há 300 projetos colaborativos entre a Ibero-América e outras regiões do mundo.

Na última década, isto significou intercâmbios com nada menos que 109 países não ibero-americanos, incluindo o Haiti.

Inspiração

A experiência ibero-americana nesta matéria foi tão rica que outras regiões do mundo a tomaram como orientação. Assim, neste ano foi apresentado o primeiro relatório sobre Cooperação Sul-Sul na África, fruto do acompanhamento da SEGIB.

“Não só oferecemos nossa experiência ibero-americana como base para apoiar outras partes do mundo em seus próprios processos institucionais e de geração de relatórios regionais, como foi o caso da África, senão também para começar a construir o que seria um marco histórico, um relatório global de Cooperação Sul-Sul”, destaca Grynspan.

“Esta seria uma conquista que nos honraria hoje e honraria os que estiveram em Buenos Aires há 40 anos”, acrescenta.

Ainda assim, a Cooperação Sul-Sul potenciou sua relevância internacional por ter um rol estratégico nos esforços por alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável contidos na Agenda 2030 das Nações Unidas.

O último reporte da SEGIB destaca que o conjunto dos intercâmbios na Ibero-América contribuiu à consecução de, ao menos, um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, em especial Fome zeroSaúde e bem estar, e Paz, justiça e instituições sólidas.

Ainda assim, apesar de todos estes avanços alcançados nas quatro décadas que seguiram à aprovação do Plano de Ação de Buenos Aires, a Cooperação Sul-Sul tem pela frente muitos desafios e oportunidades de melhora, adverte a secretária-geral ibero-americana.

“Um dos desafios mais importantes é reforçá-la para dar um impulso decisivo à Agenda 2030”, precisa.

Outro é que chegue àquelas comunidades menos atendidas e mais afetadas pelo flagelo da pobreza. No caso ibero-americano seriam a comunidade indígena, os afrodescendentes, os jovens e as mulheres.

Trata-se de um caminho longo no qual os desafios não cessarão, mas a comunidade ibero-americana confia em que tudo isto será possível graças à imensa confiança que nossos países depositaram nos valores da cooperação nos últimos 40 anos.

categorías:

Agênda 2030 Artigo Especial Cooperação Cooperação Ibero-Americana Cooperação Sul-Sul Cooperação Triangular Destacado ODS Organismos Iberoamericanos Tema destacado


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.