Indígenas

Próspera, inclusiva, sustentável… e intercultural

I Encontro de Altas Autoridades da Ibero-América com Povos Indígenas

Os povos originários, as mulheres e os jovens indígenas são recetores de discriminação estrutural, marginalidade, exclusão e pobreza. Em geral, localizam-se dentro dos quintis mais pobres de cada país. As transformações econômicas e sociais das últimas décadas e os processos de globalização agravaram as brechas com outros setores sociais.

Trabalhar em processos de consenso que permitam somar esforços nacionais, regionais e globais a favor da concreção dos direitos humanos, em geral e dos direitos dos povos indígenas, em particular, é uma necessidade clara.

Neste sentido, a Assembléia geral das Nações Unidas aprovou no marco da Conferência Mundial sobre Povos Indígenas em 2014 uma resolução pela que os Estados membro se comprometeram a adotar, em cooperação e consulta com os povos indígenas, medidas a nível nacional para alcançar os fins da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas.

Nos passados dias 5 e 6 de abril de 2018, mais de cento e cinquenta líderes indígenas, ministras, ministros e representantes de Governos ibero-americanos encontraram-se em La Antigua Guatemala para dialogar e abordar as problemáticas dos Povos Indígenas no “I Encontro de Altas Autoridades da Ibero-América com Povos Indígenas”.

Esta reunião foi a última parada de uma rota iniciada pelo Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas da América Latina e o Caribe, FILAC em dezembro de 2017 que teve dois momentos importantes de consulta a Povos Indígenas e Governos: a Reunião Sub regional de Povos Indígenas da América Central e do México de dezembro de 2017, na Cidade do Panamá e a Reunião Sub regional de Povos Indígenas da América do Sul de fevereiro de 2018, em Lima.

Por sua parte, a XIV Assembléia geral do FILAC celebrada em Madri em 2017 aprovou uma resolução para impulsionar um processo de preparação e adoção de um Plano de Ação da Ibero-América para a implementação da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, incorporando acordos e compromissos dos Estados membro neste âmbito.

Este processo serviu para recolher os insumos a fim de elaborar os documentos resultantes deste primeiro Encontro.

O objetivo do Encontro era promover um espaço de diálogo e concertação entre Governos e representantes dos povos indígenas para formular um posicionamento ibero-americano sobre a implementação dos direitos dos povos indígenas, tendo em conta a Agenda de Desenvolvimento 2030.

Este processo se emoldura no calendário de atividades da Secretaria Pró Têmpore da Conferência Ibero-americana, que recai sobre a Guatemala e será desenvolvido com antecedência à XXVI Cúpula Ibero-americana de Chefes de Estado e de Governo.

Este marco representa uma grande oportunidade para aunar esforços entre os diversos atores que intervêm na toma de decisões que concernem aos povos indígenas na América Latina e no Caribe, para avançar efetivamente rumo a uma “Ibero-América próspera, inclusiva e sustentável”, lema da XXVI Cúpula.

Os painéis temáticos desenvolvidos trataram dos desafios de Cooperação Sul-Sul no marco do Plano de ação da Ibero-América para a implementação dos Direitos dos Povos Indígenas; a responsabilidade empresarial no cumprimento dos Direitos dos Povos Indígenas; e a Agenda 2030, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e os Povos Indígenas.

Esta atividade representou um grande avanço para a incorporação das demandas e contribuições dos Povos Indígenas no processo ibero-americano, já que participaram e dialogaram de forma paritária com os Estados.

Durante sua inauguração, Aura Leticia Teleguario, ministra de Trabalho e Previsão Social da Guatemala e representante do FILAC, destacou a importância deste Encontro como “um espaço para tecer uma comunidade, uma Ibero-América inclusiva que assinale um marco na história dos povos indígenas” e acrescentou que “a toma de decisões sobre o modelo de desenvolvimento deve ser partilhada”.

Por sua parte, Maria Andrea Albán Durán, Secretária para a Cooperação Ibero-americana da SEGIB, sublinhou que “deve ser prioridade permanente dos Governos o estabelecimento de políticas que permitam assegurar as relações horizontais baseadas na justiça e a plena inclusão social para que ninguém fique para trás”.

Do mesmo modo, Myrna Cuningham, presidenta do FILAC, recalcou a oportunidade histórica de aprovar o Plano de Ação e a Declaração de forma conjunta, pois “demonstra que se amadureceu no movimento indígena, mas também que há maior vontade política de parte dos Governos da região para reduzir a desigualdade e eliminar o racismo e a discriminação que caraterizaram a história passada”. Ainda assim, expressou que “não pode haver uma Ibero-América próspera, inclusiva e sustentável, se não for também intercultural” referindo-se ao lema da XXVI Cúpula Ibero-americana.

Dois documentos foram aprovados pelos Governos e Povos Indígenas durante o Encontro e constituem o principal resultado do mesmo: o Plano de Ação da Ibero-América para a implementação dos Direitos dos Povos Indígenas e a Declaração de Iximuleu “Por uma Ibero-América próspera, inclusiva, sustentável e intercultural”.

Ambos serão elevados à XXVI Cúpula Ibero-americana de Chefes de Estado e de Governo que se celebrará em La Antigua em novembro deste ano.

categorías:

Agênda 2030 Atualidade Cooperação Ibero-Americana Cúpulas Ibero-Americanas Desigualdade Direitos Identidade Inclusão Indígenas Interculturalidad Sociedade Civil


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web, en cumplimiento del Real Decreto-ley 13/2012. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.