Inclusão

O desafio da inclusão das pessoas com deficiência na Ibero-América

As pessoas com deficiência representam 13% da população ibero-americana. Embora haja avanços em questões regulatórias, a maioria sofre exclusão

Na Ibero-América, os índices de alfabetização, escolarização e acesso ao mercado de trabalho e à saúde das pessoas com deficiência são sensivelmente inferiores aos do resto da população.

As barreiras de acessibilidade, assim como a atitude da sociedade frente a este coletivo, constituem obstáculos que marginalizam mais de 80% das pessoas em situação de deficiência na Ibero-América.

Todas estas cifras demandaram abordar a deficiência na região com uma maior ênfase no aspecto social, um fenômeno que se adverte há duas décadas.

“As pessoas com deficiência se enfrentam a piores resultados sanitários e acadêmicos, uma menor participação econômica e taxas de pobreza mais altas que as pessoas sem deficiência”

      Iniciativas para a inclusão

Em matéria de instrumentos internacionais, a primeira iniciativa na região surgiu em 1999 com a adoção, no marco da Organização de Estados Americanos (OEA), da Convenção Interamericana para a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Contra as Pessoas com Deficiência.

A isso se somou, em 2006, a firma da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CDPD), em vigência desde maio de 2008 e que até a data foi ratificada por todos os países da comunidade ibero-americana.

Em 2011, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Grupo do Banco Mundial publicaram o Relatório Mundial sobre a Deficiência, que reúne pela primeira vez informação atualizada sobre a deficiência para facilitar a implementação da CDPD.

Segundo este documento, no mundo vivem mais de 1 bilhão de pessoas com alguma deficiência. Isto significa que 15% por cento da população se enfrenta a “piores resultados sanitários e acadêmicos, uma menor participação econômica e taxas de pobreza mais altas que as pessoas sem deficiência (…), dificuldades que são exacerbadas nas comunidades menos favorecidas”.

Em 2012 a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), em seu Panorama Social da América Latina, apresentou uma análise da situação das pessoas com deficiência na América Latina e o Caribe.

Neste documento se estima que 12% da população da região tem alguma deficiência, com maior prevalência em mulheres e outros coletivos em situações de maior vulnerabilidade econômica e social (crianças e idosos, habitantes das zonas rurais, povos indígenas e afro descendentes e as pessoas com menores ingressos), coincidentemente com as considerações do relatório da OMS e o Banco Mundial.

Em 2014, a Conferência Estatística das Américas da CEPAL elaborou o Relatório Regional sobre a Medição da Deficiência, no qual se assinala que “devido às diferenças conceituais, metodológicas e operativas que se observam nos procedimentos de coleta de informação e dados entre os países da região, ainda é difícil contar com uma quantificação desta realidade, medir sua evolução e conhecer as tendências no tempo”.

      Deficiência e a Agenda 2030

Uma diferença substantiva em relação à situação das pessoas com deficiência a nível global foi sua incorporação nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que conformam a Agenda 2030, aprovada em setembro de 2015.

Aqui se faz referência explícita –diferentemente dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio– a esta população no relativo à educação, emprego, igualdade, acessibilidade e dados.

Ainda assim, o lema da Agenda 2030 “que ninguém fique para trás” destaca a necessidade de promover e garantir a inclusão de todas as pessoas para fazer realidade os ODS, o que no caso das pessoas com deficiência se traduz em uma implementação efetiva da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.

Ao adotar a Agenda 2030, os países ibero-americanos estabelecem um reconhecimento expresso da responsabilidade dos Estados por respeitar, proteger e promover os direitos humanos e liberdades fundamentais de todos os indivíduos.

Este reconhecimento se apresenta sem distinção alguma e especialmente visibiliza os coletivos de população em situações de maior vulnerabilidade, entre outros as pessoas com deficiência.

 

Mujer con síndrome de down cocinando

A Agenda 2030 representa colocar no centro da ação o princípio de “não deixar ninguém para trás”, transversal a toda a agenda de desenvolvimento, mas articulado de forma destacada em torno do ODS 10 e em particular da meta 10.2.

Esta última assinala: “Daqui a 2030, potenciar e promover a inclusão social, econômica e política de todas as pessoas, independentemente de sua idade, sexo, deficiência, raça, etnia, origem, religião, situação econômica ou outra condição”.

“A Agenda 2030 representa colocar no centro da ação o princípio de não deixar ninguém para trás”

      Reconhecimento na Comunidade Ibero-americana

Desde 2003, a Conferência Ibero-americana se posicionou em matéria de deficiência, quando na Cúpula de Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) 2004 foi assinalado como o “Ano Ibero-americano das Pessoas com Deficiência”, adquirindo sucessivamente compromissos nas Cúpulas do Chile em 2007, Argentina 2010, Paraguai 2011 e quando foi declarado o ano de 2013 como o “Ano Ibero-americano para o Emprego das Pessoas com Deficiência”.

Além disso, na XXIII Cúpula do Panamá de 2013 foi incluída na declaração a necessidade de incorporar a perspectiva de deficiência de maneira transversal com o fim de garantir a inclusão e proteção social.

Este percurso no âmbito ibero-americano se consolidou decididamente na XXVI Cúpula Ibero-americana de Chefes de Estado e de Governo de la Antigua, Guatemala, em 2018, com a aprovação do Programa Ibero-americano sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, cujo mandato de criação emana da Cúpula de Cartagena das Índias de 2016.

Esta iniciativa tem como objetivo contribuir à inclusão das pessoas com deficiência na vida política, econômica e social, através de políticas que garantam o pleno desfrute e exercício de seus direitos em conformidade com a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e a consecução dos ODS.

O programa está formado por Andorra, Argentina, Costa Rica, Equador, Espanha, México e Uruguai como membros plenos. Em qualidade de convidados participam a Bolívia, Guatemala e República Dominicana. A presidência recai no Equador e a Unidade Técnica no Grupo Social ONCE.

São inegáveis os avanços da região ibero-americana em matéria de políticas públicas para pessoas com deficiência. No entanto, há desafios pendentes.

As brechas de acesso ainda existentes e o imperativo de reduzi-las chama à mobilização governos, sociedade civil, organizações relacionadas com a deficiência, universidades, centros de pesquisa, setor privado e organismos internacionais.

Trata-se de criar entornos favoráveis, promover a reabilitação e os serviços de apoio, garantir a proteção social ao longo da vida, formular e implementar políticas e programas inclusivos laborais e educativos, e gerar marcos legais que propiciem de forma sistêmica e mantida a atenção integral e o acesso das pessoas com deficiência.

categorías:

Deficiência Destacado Inclusão Tema destacado


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web, en cumplimiento del Real Decreto-ley 13/2012. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.