Mi investigación

Comunicação das organizações nos ODS

Foto: PresidenciaRD

A Responsabilidade Social Empresarial representa a incorporação de preocupações sociais e ambientais numa equação tradicionalmente subordinada à lógica económica do lucro.

Esta integração levou a que surgissem novos paradigmas da gestão das organizações, orientados por uma narrativa que apela a uma economia ao serviço da vida.

Ora, as instituições de ensino superior, que formam os líderes de amanhã, não são diferentes, já que também produzem impactos importantes e únicos na sociedade em geral, e nas comunidades onde se inserem, em particular.

No entanto, acresce um elemento único e diferenciador que reside na sua capacidade de produzir conhecimento e de promover a aprendizagem. Destacam-se os desafios e oportunidades que os ODS trazem às organizações em geral e às instituições de ensino superior em particular.

Desafios e oportunidades
O novo milénio trouxe inúmeros desafios a todos os cidadãos e exigiu a aquisição de novos conhecimentos e competências para apreender a complexidade crescente e a incerteza envolvente.

Raros são os organismos que não se questionaram sobre estas alterações e, na sequência, apresentaram planos de ação e intenções de mudança. Esta reflexão atravessou todas as esferas da sociedade, das suas empresas privadas aos organismos públicos, ao terceiro setor e ainda o ensino superior.

A este desafio, as empresas responderam de forma expressiva, reconhecendo a oportunidade de valorização que a adesão ao Pacto lhes trazia

A Organização das Nações Unidas teve e tem um papel fundamental neste processo reflexivo, assumindo desde sempre um papel de liderança e de promotor da transformação social.

Antes da viragem do século, por iniciativa do então Secretário Geral, a sociedade em geral e as empresas privadas em particular, receberam o desafio de integrarem, como guias orientadoras, um conjunto de dez princípios de atuação inspirados nos direitos humanos, nos direitos do trabalhador, na proteção ambiental e no combate à corrupção.

Com o Pacto Global das Nações Unidas pretendia-se estreitar a relação empresa-sociedade, reconhecendo o potencial transformador da primeira para tornar os mercados mais sustentáveis e inclusivos.

Esta integração deveria ser voluntária e resultar do reconhecimento, pelas próprias, da sua responsabilidade perante a sociedade e o modo como esta se desenvolve, estando na sua esfera de decisão integrar e favorecer mais ou menos os seus membros.

A este desafio, as empresas responderam de forma expressiva, reconhecendo a oportunidade de valorização que a adesão ao Pacto lhes trazia, não só pela associação a uma iniciativa da ONU integrando uma rede global de comunidades empresariais como pela possibilidade de encetar parcerias multistakeholder estratégicas para todos os agentes envolvidos.

Na Europa, esta reflexão centrou-se em torno da Agenda de Lisboa (aprovada na capital portuguesa em 2010) que preconiza uma economia baseada no conhecimento e que visa um crescimento inteligente (“desenvolver uma economia baseada no conhecimento e na Inovação”), sustentável (“promover uma economia mais eficiente em termos de utilização dos recursos, mais ecológica e mais competitiva”) e inclusivo (“fomentar uma economia com níveis elevados de emprego que assegura a coesão social e territorial”).

é necessário que as empresas incorporem a responsabilidade social de uma forma integrada e transversal

Para responder a estes múltiplos desafios, a Europa tinha já iniciado em 2001 neste continente o seu Livro Verde para a promoção da RSE, propondo uma definição que se generalizou; nele sublinhava-se o caráter voluntário da RSE, o facto de ultrapassar a exigência da lei e de se envolver ativamente no progresso sócio-económico-ambiental das comunidades, por ser esse o seu dever.

Mais tarde, a própria Comunidade Europeia, na atenção que dedica à responsabilidade social empresarial, veio rever (em 2011) a sua definição do conceito e tendo-se desde então centrado na questão dos impactos que as decisões empresariais têm na sociedade (e nos seus diferentes stakeholders).

Desses impactos, decorrem as suas responsabilidades acrescidas, a serem assumidas na prossecução de dois objetivos: para uma criação de valor partilhada e para mitigar e prevenir eventuais impactos adversos. Para tal, é necessário que as empresas incorporem a responsabilidade social de uma forma integrada e transversal a todo o processo negocial, da definição da sua missão e visão ao reporte das suas atividades sob o prisma dos três vértices da sustentabilidade .

O artigo completo está disponível em DEDiCA. Revista de Educação e Humanidades

Los argumentos expuestos en esta tribuna responden en exclusiva al punto de vista del autor, que es responsable de las opiniones manifestadas, y no reflejan en ningún caso la postura de la SEGIB

categorías:

Agênda 2030 Comunicação Economia Educação Empreendedorismo Empresa Inovação ODS Pesquisa


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.