Histórias

Cooperação e Saúde: trabalhando para incrementar a doação de órgãos

Nos últimos cinquenta anos, o transplante de células, tecidos e órgãos humanos converteu-se em uma prática mundial que prolongou a duração e melhorou a qualidade de centenas de milhares de vidas.

Assim assinala a Organização Mundial da saúde (OMS) que, segundo dados de 2015, indica que na América Latina foram realizados 15.431 transplantes nesse ano. Com uma taxa superior à media mundial (25,6 frente a 20,6 ), a região começa a ser um exemplo de projetos de CSS para garantir uma vida saudável e promover o bem estar.

Neste campo destacam especialmente o Uruguai e a Argentina. Esta última desenvolveu iniciativas com a Costa Rica, em assistência para o aumento de sua taxa de doações, a melhora de acesso a serviços de qualidade, a formação de seus recursos humanos e a aplicação de aspetos éticos legais.

Também com o Peru, na assessoria da constituição de um banco de sangre de cordão umbilical, de um laboratório de histocompatibilidade e de um registro de doadores de medula óssea não parentes, e o Equador, com quem a Argentina, desde 2011, colaborou no âmbito da capacitação a profissionais do sistema hospitalário e, a partir de 2016 na área de comunicação para a saúde e promoção da doação e transplantes.

No Equador, desde 2010 a 2015, 1.926 pessoas receberam um transplante. Um ano depois, em outubro de 2016, tinham sido realizados com êxito 545 transplantes, 116 % mais que no mesmo período de 2015.

Por sua parte, o Uruguai, através do Instituto Uruguaio de Doação e Transplantes de Células, Tecidos e Órgãos (INDT), desde 2009 realizou distintas iniciativas com o Chile, a Venezuela, a Bolívia, a Colômbia e o Brasil. No caso do Chile, o Uruguai contribuiu a fortalecer o sistema de transplantes chileno, partilhando sua experiência no que se relaciona à criação de um registro nacional de doadores e de uma comissão reguladora de transplantes.

A Argentina e o Uruguai não só intercambiaram suas experiências em transplantes com outros países
da região, senão que também fizeram-no entre eles. Neste caso, a cooperação bilateral esteve dirigida a atender critérios de reciprocidade em matéria assistencial; entre outros, o acesso ao transplante em situações de emergência, o controle de doadores vivos, o ingresso à lista de espera o a coordenação em programas com componentes binacionais.

Há muitos mais exemplos nos países que evidenciam a importância da Cooperação Sul-Sul nesta matéria. Assim é subscrito pela diretora do INDT: «Ninguém pode pensar em um sistema de doação e transplantes com fronteiras fechadas».

Por isso, a CSS é também um instrumento de desenvolvimento sustentável que salva vidas.

*Extrato de histórias publicadas no Livro da SEGIB “Uma Década de Cooperação Sul-Sul na Ibero-América”

categorías:

Ciência Cooperação Sul-Sul Destacado Histórias ODS Saúde


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web, en cumplimiento del Real Decreto-ley 13/2012. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.