Histórias

Um desenvolvimento urbano sustentável e que integre as comunidades

De que maneira deve se pensar o desenvolvimento das cidades para que seja sustentável e todos se beneficiem dos processos de urbanização? O trabalho do Centro Ibero-americano de Desenvolvimento Estratégico Urbano (CIDEU) para gerenciar os desafios urbanos do futuro.

O objetivo 11 da Agenda de Desenvolvimento Sustentável 2030 das Nações Unidas (ODS) envolve todos os Estados firmantes na “busca de cidades e comunidades sustentáveis”.

Assim, os países ibero-americanos têm a visão focada em conseguir cada vez mais um processo de urbanização sustentável e que integre as pessoas que habitam as cidades.

Para os governos locais, isto representa afrontar o desafio de reflexionar de forma autocrítica sobre as lições aprendidas.

Assim foi feito por aqueles que participaram da Assembléia Geral de Cidades do Centro Ibero-americano de Desenvolvimento Estratégico Urbano – CIDEU, realizada em outubro, onde acordaram assinar a  Declaração Ibero-americana CIDEU 2020, na qual reafirmam a importância do pensamento estratégico urbano para gerenciar os novos desafios que o gerenciamento das cidades na crise da pandemia representa.

Comprometer os cidadãos e as cidadãs para trabalhar em conjunto e encaminhar o rumo às “novas cidades”

Isto se reflete, segundo diz a declaração, na necessidade de abrir debates, reunir esforços, comprometer os cidadãos e as cidadãs para trabalhar em conjunto e encaminhar o rumo às “novas cidades”, com a planificação estratégica como instrumento de orientação e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” como roteiro.

“O mais importante de estar em uma rede destas características é compartilhar ideias, compartilhar boas práticas, que nos dão pistas e nos ensinam a fazer melhores cidades. Se antes tínhamos de apostar por pertencer a uma rede destas, hoje a COVID-19 o faz ainda mais necessário”, disse Jorge Azcón, prefeito da cidade de Saragoça, cidade que recentemente assumiu a presidência do CIDEU.

 

Arquitetura que transforma vidas

A pandemia nas cidades demonstrou o descuido do entorno urbano de certas zonas, o que representa por sua vez uma oportunidade para aprender boas práticas e planejar com visão de futuro.

Um dos exemplos da transformação das cidades, e de como através da arquitetura pode-se mudar a vida das pessoas, é Medellín (Colômbia).

E um dos artífices da mudança urbana foi o arquiteto Gustavo Restrepo, quem – por solicitação do governo – projetou escolas, praças, delegacias e hospitais em zonas onde o Estado havia estado ausente por décadas.

Entre as chaves para melhorar as cidades e seus entornos é necessário que cada cidade tenha um plano de ordenamento territorial que obedeça a um plano de desenvolvimento local para chegar à nova urbanização sustentável.

“Isto significa que haja uma visão de longo prazo de seus territórios e comunidades. Essa visão deve estabelecer regras claras para todos os cidadãos e beneficiar a todos por igual”, explica o arquiteto.

Cada cidade tenha um plano de ordenamento territorial que obedeça a um plano de desenvolvimento local para chegar à nova urbanização sustentável

Restrepo reconhece que a arquitetura sustentável tem três dimensões: econômica, ambiental e social, e com uma estrita planificação em mãos de especialistas. Mas antes deve passar pela consulta dos cidadãos para que sintam uma pertinência para com os resultados.

Também “com o desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente e se compromete com as capacidades das futuras gerações”, especifica.

Hoje em dia, muito tem a ver com os cuidados dos recursos naturais – revela o arquiteto – e como preservar o manejo das condições ambientais (a água, a poluição, entre outros).

Na Latino-américa implementaram estes modelos, Medellín, e de arquitetura ocasional como Favela-Bairro no Rio de Janeiro e outras áreas do Brasil, México e Argentina.

Isto tem muito a ver com as cidades que desenvolveram seu “observatório cidadão” como “Rede Cidades como vamos”. “Hoje são mais de 30 as que implantam este princípio”, formula Restrepo.

A arquitetura sustentáveldeve passar pela consulta dos cidadãos para que sintam uma pertinência para com os resultados

A que mais ajudou – diz o arquiteto – a estabelecer para onde e como fazê-lo é ONUHabitat III, em Quito, Equador. Esta agenda propôs reorientar a maneira em que os assentamentos humanos e as cidades são planejadas, projetadas, financiadas, desenvolvidas, administradas e gerenciadas, “estabelecendo princípios fundamentais como a equidade, dignificar a vida do outro, e a participação cidadã”.

O novo cenário, diz o CIDEU em sua declaração, apresenta uma iminente e engenhosa reprogramação das relações sociais e institucionais, mas também a estruturação econômica da cidade no futuro.

 

 

categorías:

Cidade Cooperação Desenvolvimento sustentável Governo Histórias Políticas Públicas Redes Ibero-Americanas


Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. Aceptar | Más información
Recibe una alerta cuando esté disponible un nuevo especial temático sobre la cooperación en Iberoamérica en nuestro portal somosiberoamerica.org
* campo requerido
Idioma

Secretaría General Iberoamericana usará la información que nos proporciones en este formulario para estar enviarte actualizaciones del portal Somos Iberoamérica e información relacionada.

Puedes darte de baja en cualquier momento haciendo click en el enlace del pie de nuestros emails.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.